Harry Potter

The Wizarding World of Harry Potter

wizarding world of HP

Calma, este não é o nome nem o pôster de um novo filme de Harry Potter. Este é o material de divulgação inicial do parque temático que o bruxo vai ganhar no Universal Orlando Resort, na Disney World, em 2010.

O local será fiel às proporções dos ambientes e cenários do filme e trará montanhas-russas com dragões e hipogrifos. No tour virtual presente no segundo vídeo abaixo, dá pra ter uma noção do quão espetacular vai ser o negócio.

Disney em 2010, vamos???

DVD: Verão, Férias e Surpresa

Um Verão Para Toda VidaUm Verão Para Toda a Vida (2007). Primeiro filme que vejo com Daniel Radcliffe que não Harry Potter. E a produção é bem regular. Uma pena, já que tinha potencial graças à boa premissa (garotos órfãs que saem de férias, numa pegada Conta Comigo) e à ótima fotografia. O grande problema é que o diretor não soube tirar proveito das toneladas de clichês fornecidas pelo roteiro. Ah, e Harry Potter fuma. Garotinho mal.

Nota:6,0

O Amor Não Tira FériasO Amor Não Tira Férias (2006). Não tinha como dar errado: Kate Winslet, Jack Black, Jude Law e Cameron Diaz em um mesmo filme. Apesar de ser mais longo do que o necessário, O Amor Não Tira Férias é a pedida perfeita para aqueles que curtem uma comédia-romântica. Está longe de ser clássico como Um Lugar Chamado Nottin Hill, mas tem ótimos personagens e um roteiro amarradinho, ainda que previsível. E é sempre uma delícia ver a Kate sofrendo de amor e o Jack Black no papel de Jack Black.

Nota: 8,0

HairsprayHairspray (2007). Musical é o gênero máximo quando o assunto é “ame ou odeie”. Eu gosto muito e Hairspray foi uma das melhores surpresas que encontrei em home video este ano. Acredite, o filme é surpreendentemente bom, com ótima direção e um elenco afiadíssimo (destaque para a novata Nikki Blonsky, que faz a simpática protagonista). Sem contar a trilha sonora, que emplaca um hit grudento atrás do outro. O curioso foi perceber que, enquanto via o filme, eu não consegui parar sorrir. Isso é entretenimento. E se você tem preconceito com o gênero, sugiro que tente exterminá-lo conferindo ótimos exemplares como Moulin Rouge, Chicago, Across The Universe e este espetacular Hairspray. Nota: 9,0

Estreias – 17 de julho/09

Todo mundo tem medo da varinha de Harry Potter. Basta um filme do bruxo chegar às telas, que as outras distribuidoras se escondem embaixo da cama; afinal, o garoto é um descontrolado.

Não à toa, O Enigma do Príncipe é o único filme que realmente estreia (ou melhor, estreou) esta semana. O resto, apenas está aí, tentando ganhar a vida: os franceses Enquanto o Sol Não Vem e A Garota de Mônaco (dirigido por Anne Fontaine, que volta em outubro em Coco Antes de Chanel); e os brazucas Cocoricó – As Aventuras na Cidade e Descaminhos.

Clique no pôster para ver o trailer.

Harry Potter e o Enigma do PríncipeEnquanto o Sol Não VemA Garota de Mônaco


Resenha: Harry Potter e o Enigma do Príncipe

Harry Potter e o Enigma do PríncipeAinda no calor de ter deixado, há poucas horas, a sessão do filme, digo: Harry Potter chega ao sexto ano de Hogwarts melhor do que nunca.

Como bom fã da série que sou, fico imensamente feliz  em ver o caminho que ela seguiu no cinema. Apesar de, assim como em todos os outros filmes, a história de O Enigma do Príncipe “sofrer” com a transposição para as telas, todos os sacrifícios feitos no material original são absolutamente pertinentes e não fazem falta no espetáculo, de som e imagem, proporcionado pelo longa (salvo uma única passagem, que citarei adiante).

Se David Yates já provou ser talentoso ao deixar o filme de A Ordem da Fênix superior ao – longo e chato – livro, aqui, o diretor não apenas reforça seu dom em comandar atores, como também nos brinda com um filme maduro e consistente, graças ao seu domínio em usufruir, da melhor forma, dos recursos que só o cinema pode oferecer.

A produção é tão bem realizada que parece fruto de magia: a belíssima fotografia (dirigida por Bruno Delbonnel, que também fotografou Amélie Poulain) deixa o clima mais sombrio sem abrir mão de uma interessante paleta de cores (o branco ofuscante da neve no retorno de Hogsmead, o reluzente amarelo da paisagem por onde corta o Expresso de Hogwarts, o verde-esfumaçado das lembranças da Penseira etc); bem como a trilha sonora que pontua perfeitamente cada cena, de maneira bastante expressiva e sensível.

E o que dizer dos efeitos especiais, que chegam ao ápice da série neste filme?! O Quadribol nunca esteve tão real e eletrizante, o turbilhão de fumaça em que se transformam os Comensais da Morte é incrível e a cena da Caverna… uau! Mesmo assim, não vá esperando grandes sequências de ação. Elas existem, mas são poucas e rápidas (sem contar a Caverna, o destaque fica sendo o ataque à Toca, momento em que o diretor abusou dos cortes rápidos e de uma câmera inquieta para criar um ótimo clima de tensão).

Agora, se falta ação, sobra falação e quem leu o livro, sabe: O Enigma do Príncipe prepara o terreno para o episódio final da saga e, por isso, é repleto de explicações e teorias a respeito do Lord Voldemort. Tudo, claro, permeado por um delicioso clima de romance, que nos faz querer voltar à adolescência (fator muito mais forte no filme do que no livro).

E do romance, chego às atuações, já que todo o elenco – dos protagonistas aos coadjuvantes – entrega performances notáveis. Eu já esperava que Jim Broadbent faria um brilhante Horácio Slughorn mas, ainda assim, acabei surpreendido. Outro personagem que me pegou de surpresa foi Lilá Brown, que no livro é insuportável e aqui, graças ao bom trabalho da jovem atriz Jessie Cave, ficou inocentemente engraçada. Helena Bonham Carter e Alan Rickman estão ótimos como sempre, como Belatriz e Snape, e o trio protagonista, que tem evoluído a cada filme, volta mais preparado e maduro, com atuações dignas de reconhecimento. A mais fraquinha, em minha opinião, é Bonnie Wright, que faz a Gina. Ah, e Malfoy está excelente também.

Bom, não vou entrar em detalhes sobre o que da história entrou e o que ficou de fora no filme.  Como em toda adaptação cinematográfica, cortes são necessários. Mas digo que saí bastante satisfeito com a obra como um todo, sentindo falta, apenas, de uma importante explicação que Dumbledore deveria dar a Harry (não vou falar pra não estragar a surpresa de quem não leu).

Enfim, Harry Potter e o Enigma do Príncipe torna-se, para mim, o melhor filme da série até aqui. Um trabalho impecável de direção, que deixou esse universo tão fantasioso em algo mais real e consistente. Bato palmas também ao roteiro, que tirou, com inteligência, todo o excesso de gordura saturada do texto de J.K. Rowling, deixando somente o necessário, o que torna a experiência cinematográfica da obra não só possível, como muito, muito prazerosa.

Nota. 9,0

p.s: peço desculpas se o texto saiu meio confuso e com ideias atropeladas, mas quis registrar e passar para vocês o entusiasmo do momento. =D

OMFG! HP6! IMAX 3D! BR!

HP6

Por essa eu não esperava: Harry Potter e o Enigma do Príncipe será lançado no Brasil (ou melhor, em SP) em IMAX 3D, no mesmo dia de sua estreia mundial, em 15 de julho.

Mas peraí, em 3D???

Sim, pelo visto vão aplicar uma nova tecnologia sobre a cópia, que transformará a ação ao vivo 2D em 3D. Mas parece que só a sequência de abertura do filme foi convertida para IMAX® 3D. O que já é excelente.

Eu to bastante feliz com esta notícia e fiquei ainda mais afim de ver o filme. Grande iniciativa da Warner!