Jim Carrey

I Love You Phillip Morris – Pôster

Enquanto Harry Potter me afoga de trabalho, fique com um post rápido de um filme que gerou controvérsias.

Eu Te Amo Phillip Morris traz Jim Carrey dando uns pegas em Ewan McGregor e em Rodrigo Santoro, de um jeito que deve assustar os mais puritanos fãs de O Máscara. O filme, apesar de bastante elogiado em festivais por aí, quase não encontrou um distribuidor e, por pouco, não foi lançado direto em DVD. Por sorte, algum empresário teve bolas e comprou os direitos da obra.

O pôster é legal mas meio estranho, concordo. Mas tudo que vem do JC (Jim Carrey, não Jesus Cristo) merece destaque no HJ (Holy Junk, não Homem Júpter).

i_love_you_phillip_morris

Bom, agora deixa eu voltar pra esse bruxo mother fucker do papai. =D

A Christmas Carol – Pôster

O diretor Robert Zemeckis (De Volta Para o Futuro, Forrest Gump) virou um tarado por captura digital. Pô, o último filme com atores “reais” do cara foi Náufrago, há 9 anos. Desde então, ele se dedicou às animações em 3D O Expresso Polar e A Lenda de Beowulf, que fizeram uso da revolucionária técnica digital.

Este ano ele voltará no mesmo esquema e acompanhado por ninguém menos que Jim Carrey, em visual à la Desventuras em Série (filme que eu adoro). Confira abaixo o primeiro pôster da produção.

christmas_carol

Só espero que nós tenhamos a chance vê-lo em IMAX também. ;-)

Resenha: Sim Senhor

sim-senhor

Jim Carrey envelheceu, mas suas piadas não. O ator, que já está com a boca murcha e cheio de rugas, continua fazendo caretas melhor do que ninguém. Mesmo sob a direção chinfrim de Peyton Reed (do legal Separados pelo Casamento), Carrey consegue arrancar boas risadas da platéia. 

Na história, o comediante interpreta Carl Allen, um cara que levava a vida nas coxas até participar de um grupo de auto-ajuda que prega uma simples filosofia: diga “sim” a tudo e encontre a felicidade. 

O filme é aquela coisa: você entra no cinema sabendo como vai começar e terminar. E neste caso, isso não é nenhum problema. 

Mesmo com um roteiro pobre e, como dito, uma direção bem fraca, a produção cumpre seu objetivo de fazer a gente esquecer o mundo lá fora e relaxar na escuridão de uma sala cheirando pipoca. 

Forte candidato ao prêmio de “Melhor Sessão da Tarde” dos próximos anos, Sim Senhor é perfeito para assistir em casa, num dia bem chuvoso ou depois daquela horripilante prova de matemática. Vish, bateu uma saudade da minha adolescência agora. 

Nota: 6,5