Luiz Bolognesi

Resenha: As Melhores Coisas do Mundo

A lacuna foi preenchida! Finalmente o Brasil pode bater no peito e se orgulhar de ter um filme sobre e para adolescentes. Um filme que não finge ser o que não é; que não muda a voz para parecer mais novo e nem falsifica a identidade para entrar onde não deve.

As Melhores Coisas do Mundo é um retrato fiel e muito atual dos adolescentes brasileiros, um filme dirigido com maturidade por Laís Bodanzky (diretora de Bicho de Sete Cabeças e da pequena obra-prima Chega de Saudades) e escrito de maneira precisa e dinâmica por Luiz Bolognesi (cineasta que promete revolucionar a animação nacional em Lutas – O Filme).

A obra, inspirada na série de livros “Mano” de Gilberto Dimenstein e Heloísa Prieto, aborda todas as descobertas da fase mais gostosa e turbulenta da vida (bebida, drogas, sexo, família e, claro, amor) sem, em momento algum, parecer forçada, plástica, caricata.

Graças ao sensível olhar de Laís e ao fiel texto de Luiz à linguagem jovem, tudo em As Melhores Coisas do Mundo soa muito, mas muito natural. É um filme que joga no time do adolescente, apoiando a mão em seu ombro e dizendo “eu to nessa com você e sei por tudo o que você está passando e também sei como você se diverte, sofre e ama”.

Nada é falso como nos folhetins globais. Desde a incrível direção de arte de Cássio Amarante (repare como tudo em cena é genuíno, desde a casa da família, passando pelos quartos dos garotos e o carro meio caído do pai), à edição esperta de Daniel Rezende e, claro, à brilhante atuação do elenco jovem – que nem profissional é.

Francisco Miguez, o garoto que interpreta o protagonista Mano entrega uma atuação perfeita para o personagem: é no silêncio e no olhar que ele expressa seus conflitos e angústias; Fiuk (que faz o Pedro, irmão de Mano), apesar de um pouco exagerado e até caricato, faz jus ao teatral personagem; já Gabriela Rocha (Carol), uma das melhores surpresas do elenco, transmite tamanha veracidade em cena, que é difícil não relacioná-la a uma amiga ou conhecida que todos já esbarraram pela vida.

E mesmo quem já passou da idade, vai se envolver e se emocionar com As Melhores Coisas do Mundo. Belíssimas são as sequências, por exemplo, em que Mano atira ovos com a mãe (Denise Fraga, mostrando-se ótima longe da comédia) e abraça o irmão após ser vítima de bullying. Impossível segurar a garganta de se contorcer em nós.

Bom, sou suspeito pra falar, mas amo a maneira como o filme nos joga pra dentro desse universo, como ele nos faz sentir mais jovens (é delicioso ver as sequências no colégio, as quais mostram salas de aula vazias e o pátio lotado). Acredite, você vai sentir muita saudade dos seus 15 anos.

Pra terminar, só tenho mais uma coisa a dizer: Laís Bodanzky e Luiz Bolognesi, muito obrigado!

Nota: 10

As Melhores Coisas do Mundo estreia nesta sexta-feira, 16 de abril. Imperdível, minha gente!

Ah, se eu fosse você visitaria os blogs reais dos personagens. Blog da Dri Novais e Blog do Pedro.